domingo, 19 de dezembro de 2010

Joãozinho vai ser cantor!!!

     A musiquinha foi ensinada pela Tia Thaís, na escolinha, e pela mamãe, em casa. Para a surpresa de Joãozinho, ela também estava gravada no seu mais novo brinquedo radical, um "notebook", presente mais que especial do Papai Noel da confraternização do nosso prédio. Então, ele uniu o útil ao agradável, e simplesmente saiu com essa, que vcs podem ver no vídeo:

video



     Mais uma vez, ele canta, e, no final, elogia a si mesmo, "que lindo", ciente de que está fazendo um belo trabalho vocal:


video





Será que vai "puxar" à mamãe, que AMA cantar?? rsrsrsrsrs

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

O priminho Lucas: Orgulho da família!!!!!

            Incrível como às vezes não sabemos que grandes emoções estão guardadas em momentos tão singelos, e, às vezes, até mesmo não muito valorizados pelas pessoas. Sábado passado, eu e João fomos para a formatura de ABC do priminho de Joãozinho chamado Lucas, filhote mais velho de Karol, nossa prima, que estuda no Colégio Santa Maria.
         
            Para nossa grata surpresa, Lucas foi escolhido para ser orador de sua turminha, função nobre que lhe foi confiada pelas professoras e demais pais de alunos. Todos estavam um tanto anciosos, uma vez que, durante os ensaios, Luquinhas demonstrava nervosismo, e não conseguia ler com tranquilidade aquele lindo texto.
      
           Mas, na hora exata, ele mostrou exatamente a que veio. Olhou para aquele papel, demonstrando total segurança e certeza do que deveria fazer, e leu como um verdadeiro homem todas aquelas palavrinhas, sem nenhum atropelo. Nenhum mesmo.

          Bem, se nós já estávamos impressionados com o fato de ele ser o destaque da turma, ficamos simplesmente boquiabertos, diante de tanta sabedoria em uma cabecinha de apenas seis anos de estrada. A expressão de um aluno responsável, ciente do sua função, que queria demonstrar a tudo e a todos que ele era CAPAZ de ali estar representando seus colegas, em um momento ímpar da sua vida.


Lucas e sua "mamá"!



Tio Júnior e a Mamãe orgulhoséeeeeeeerrimos!!!!


        Nós da família sabemos que Lucas passou por dificuldades nesse seu pequeno tempo de vida. Dificuldades estas que, muitas vezes, são utilizadas pelas pessoas em geral para justificar rebeldia de outras crianças, tristeza, dispersão em sala de aula, aprendizado não tão eficiente. Mas, para ele, os atropelos da vida serviram para torná-lo um menino ainda mais especial. Um menino carinhoso, estudioso, dedicado, educado, bonito por fora e por dentro. Um menino que foi capaz de protagonizar um cena como essa que mostro abaixo, de total ternura, sem ninguém pedir, quando Joãozinho contava com apenas seis meses de vida.


video


               1º da Turma. 2º Lugar geral do Colégio Santa Maria. Aluno "sensacional", segundo a professora de inglês.
               1º Lugar nos nossos corações!!!!
           
                Parabéns titia!!!

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Mamãe, eu já sei o B A BÁ!

               Ontem resolvi aprimorar os conhecimentos de Joãozinho. Papel e lápis na mão, fui ensinando a juntar as letrinhas, para formar as sílabas. Comecei com a família do B. E, para minha surpresa, após algumas tentativas, ele já estava todo feliz recitando B A Bá, B E Bé, e por aí vai!!!
                E quando ele errava, eu enfatizava a vogal, e ele acertava em cheio!!!!
                Confiram! PS: O vídeo ficou de lado, e como não sei ajeitar, vai assim mesmo hehehehe!



video


Orgulho de mamãeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O Natal está chegando!!!

         
        Joãozinho estava uma noite dessas admirando a árvore de Natal da nossa casa, e, de repente, eu escuto:

- Natal, natal quiançasssssssssssssss !


      Apurei o ouvido e lá vai ele de novo:


- Natal, natal dá quiançasssssssssssss! Natal, ôite di úiz!


      O que ele queria exatamente? Ah! Era cantar a musiquinha de Natal que a mamãe vinha ensinando a um tempinho, que diz assim: 

"Natal, Natal das crianças, Natal da noite de luz!Natal da estrela-guia, Natal do Menino Jesus!Blim, blão, blim, blão, Bate o sino da matriz!Papai, mamãe rezando,Para o mundo ser feliz!Blim, blão, blim, blão, O Papai Noel chegou!Também trazendo presente,
para a vovó e o vovô!"

      Será que ele vai amar o Natal tanto quanto a mamãe? Que, até hoje, se emociona ao ver o bom velhinho? Porque Papai Noel existe!!! Pode acreditar!!!




Ah, e o mais importante! Sem esquecer que o verdadeiro sentido de tudo é o nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que a ele devemos render todas as homenagens, ensinando os nossos filhotes a seguirem o mesmo caminho!

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Mamãe! Vamos pra missa!

   
       Esse fim de semana resolvemos retomar as nossas idas à Igreja com regularidade. Nos últimos tempos, até pelo fato de eu estar com uma rouquidão terrível que me impede de cantar a quase dois anos, temos falhado com esse compromisso de fim de semana. João foi quem sentiu mais esse afastamento, pois aquela uma hora e meia rezando com outras pessoas, em comunhão (comum + união) com as mesmas, tem um poder imensurável de cura, de reflexão, de renovação das nossas vidas.


          Além do mais, é imporante dedicar um pouco de tempo apenas a Deus. Muitos dizem, "não preciso ir a Igreja pra estar com Deus". Lógico que não. A frase está corretíssma, no seu sentido literal. Deus está conosco em todos os momentos, é claro. Porém, na minha concepção, quando estamos na missa, ou no culto, desde que de coração aberto, estamos ali por Ele, e apenas para Ele. Para louvarmos o Seu santo nome, como quem comemora a vida de alguém muito importante. Por exemplo, não precisamos fazer uma festa de aniversário pra dizermos que amamos nossos filhotes, claro que não. O amor é cultivado no dia a dia. Mas se compramos um bolo e chamamos seus amiguinhos nesse dia especial, estamos lhes rendendo uma homenagem, que jamais será esquecida.

         

          Desde pequeno, Joãozinho demonstrou interesse por todo aquele ritual, entrada, cânticos, ofertório, comunhão... Mesmo sem entender grande coisa, ele fixava os olhinhos no que estava acontecendo, e, de alguma forma, percebia que era algo muito bonito, e muito importante.

        Agora, um pouco maior, ele está demonstrando ainda mais fascinação por tudo aquilo. Chega a colocar a mãozinha na boca, fazendo-se de impressionado, quando algo diferente acontece.


Desde pequenino!

            Mas, nesse sábado, ele se superou. Na hora do ofertório, João o colocou para participar, levando  uma das cestinhas das ofertas, junto com outras crianças. Ele atravessou solenemente toda o meio da Igreja, segurando aquela caixinha como quem segura um tesouro. Claro que sempre olhava pra trás, e chegou a dizer Papai, vem... Mas não desistiu de sua missão.
    
            E ali ficou recebendo as ofertinhas do Senhor até o fim. Até quis ensaiar o furto de uma notinha, sem ter noção do que aquilo significava, já que eu nunca apresentei dinheiro a ele, rsrsrs, ma a tia que auxiliava pediu que ele não mexesse, e ele obedeceu.




          Depois, era hora do Pai Nosso. Lá na Igreja Frei Paulo costuma chamar as crianças pra rezar de mãos dadas no Altar, e eu ainda não tinha tido coragem de levá-lo. Mas, depois do sucesso do ofertório, arrisquei. E ali ele ficou, de mãozinha dadas com outros amiguinhos, sempre dando uma espiada para trás para conferir se eu estava por perto, claro... Rezou, e depois voltou para o seu lugar.
      
            Nossa. Foi tão gostoso esse momento. Como me senti aliviada, aliviada de um peso que eu não sei definir qual. Saí de lá mais leve, mais confiante de que tudo vai dar certo. E já está dando.


segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O amor encoraja.

           O nosso Joãozinho não gosta muito de brinquedos "radicais". Girou, ficou muito alto, ele "estila", como diríamos antigamente (rsrsrs). Porém, nesse fim de semana, na festa da amiguinha Isabella, ele tomou de ímpeto e resolveu enfrentar o seu medo.... Por que será que ele teve tamanha coragem?

           Simplesmente, porque ao seu lado estava a linda Helena, sua querida prima, demonstrando que aquele brinquedo era nada mais nada menos do que uma forma muito legal de se divertir, e de compartilhar mais e mais sorrisos.
         
            Não acreditei quando Rê, minha amiga doida, veio correndo me dizer que eu era uma bela mentirosa, porque Joãozinho estava alegre e sorridente, na "roda gigante" da festinha, na companhia da sua prima, que tentava, inclusive, tocar-lhe as mãozinhas, como quem diz: Tá vendo, priminho, como é bom, como é legal? Não precisa ter medo!

Pois é. O amor encoraja!



Que amorrrrrrrrrr!


               Esses dois ainda vão aprontar muito juntos... Tomara!!!
        

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

A amiga do Joãozinho.

       Estava eu trocando Joãozinho em cima da minha cama, ao lado da nossa fiel escudeira Flor. Na posição em que ele estava, não conseguia ver a cadelinha, pois ela tinha se deitado logo acima da sua cabeça. Então eu perguntei:

     Joãozinho, quem é essa que tá aí atrás de tu?

      Ele virou o pescoço, fazendo um esforço incrível para ver quem ali estava, e, constatando que era a nossa querida cadelinha, disse:

     Flor, mamãe, a minha amiga!

     Eles aprendem tudo, e rápido. Inclusive que amizade independe de cor, de raça, e, até mesmo, de espécie. :)

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Os idólos e a gratidão.

      
      Ontem tivemos a visita, em nossa casa, do Palhaço Petequinha, que faz recreação infantil e trabalha com cover do Patati Patatá também. Ele estava de cara limpa, mas é uma simpatia de pessoa. Joãozinho ainda estava dormindo quando ele chegou, acordou durante a visita, e, como todo bom bebê, não ficou tãaaaaao simpático assim nos primeiros minutos.

        Na verdade, Joãozinho, embora sapeca, simpático e risonho, nunca foi um doce ao ter um contato mais direto com estranhos. Até alguns familiares ele resistiu um pouco em ter total liberdade. Não sabemos o por quê, mas o temperamento dele é assim, precisa de um certo tempo pra se acostumar com as pessoas. Quando cai na graça, pelo menos, é para sempre :)

       Entretanto, após algum tempo de conversa, falei a Joãozinho que aquele moço seria o responsável por trazer Patati Patatá aqui em casa, ao vivo, com toda a sua turma. Falei a ele

Gordinho, esse moço é amigo de Patati Patatá, ele vai trazer os dois pra te dar um abraço no teu aniversário e brincar bem muito com você e com seus amiguinhos! Agradeça a ele, vamos!


        Para minha surpresa, meu pequeno gordinho cheio de sonhos não hesitou em dar um beijo naquele rapaz  quase "estranho", além de um forte abraço, e, em seguida, um "gado", que, em sua linguagem, quer dizer obrigado, claro.

        Ou seja, ele entendeu que deveria ter gratidão por aquele moço. Que deveria estar grato por ele estar realizando um sonho seu, o que realmente importa na vida.

        Ele não sabe que se mamãe não puder contratar o rapaz, nada será feito. Ele o abraçou com a certeza de que o moço o faria ainda mais feliz, no dia do seu 2º aninho, que está prestes a chegar.



Olha a carinha quando viu Patati Patata pela primeira vez!

                      

       Realizem seus sonhos. E façam amigos. E tenham gratidão por aqueles que lhes estenderem a mão.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Vou dinamizar o Blog!

                
       Sabe de uma coisa? Essa minha mania de me concentrar muito para escrever está prejudicando o andamento do blog. Penso, penso, penso tanto, que acabo não esternando a maravilha que vivo a cada dia!!! Vou ser mais rápida nas novas descobertas de Joãozinho, para poder compartilhar com vocês tudo que eu tenho sentido nesse último 01 ano e 10 meses de nova vida.


_________________________________

 
       Joãozinho às vezes me deixa impressionada. Quer dizer, a todos nós que convivemos com ele, e também aos que acreditam no que nós dizemos hehehehe...
                         
        Dentre as suas façanhas mentais, ele já sabe todo o Alfabeto, exceto o W o Y e o Q, e a contar até 22, inclusive de trás para frente. Aí vcs me perguntam, pq até 22? É o andar que nós moramos, ora bolas, o elevador é um dos melhores professores que já foram inventados. Experimentem!


        As letras ele aprendeu ficando ao meu lado no computador. Eu abro o word, escrevo-as e vou dizendo o nome de cada uma. Bastou umas três lições para quase todas ficarem perfeitamente fixadas em sua mente. Hoje, o ABC é uma fixação. Aonde vamos, ele passa a soletrar o que vê. Invariável. Louco, alucinado, apaixonado, por algo que a gente já está tão acostumado...

       
       A escola também tem trazido aprendizados que, no dia a dia, poderiam passar despercebidos. Sinal de trânsito por exemplo. Na semana do trânsito aprenderam o significado das cores do semáforo. Então, no caminho de casa até a Escola, vou ouvindo: "vemeio - pari!" "vêde-siga mamãe". Ele, que já sabe todas as cores (até lilás) se sente praticamente um co-piloto, naquela tarefa árdua de dirigir. Um homem em miniatura, já preocupado com as atitudes da mamãe.

      
      
       É lindo, é deslumbrante, é mágico. Ver uma criança se desenvolver é a maior, e melhor, prova da existência de Deus, e de Sua mão poderosa sobre nossas vidas!

ps: aumentei o tamanho da fonte por causa da vovó Quel :)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

E ele tem a prima mais inteligente do mundo.

Pois é. Hoje em dia as crianças são mais inteligentes mesmo. Já nascem de olhos abertos (deve ser por causa da enorme luz em cima da mesa de cirurgia, mas tudo bem), seguram a cabeça mais rápido, engatinham e andam com uma ligeireza sem par. Parece que os picos de desenvovimento estão mais próximos uns dos outros, e, quando estamos nos acostumando a mais uma pequena novidade, vem outra maior e melhor, que nos deixam ainda mais extasiados em acompanhar o crescimento e a aprendizagem dos nossos queridos.

Percebo, inclusive, que essa característica das crianças de hoje gera até mesmo preocupações desnecessárias nos pais, que passam a não aceitar um desenvolvimento apenas "normal" de seus bebês. Coisas da modernidade. Eu mesma fiquei preocupadíssima com o fato de Joãozinho não estar andando até 01 ano e 2 meses, porexemplo. Mas, meus Deus, era somente 01 ano e 2 meses!!! Quanta bobagem, hehehehe...

Entretanto, uma coisa é fato. Mesmo percebendo essa aceleração no desenvolvimento das crianças em geral, eu desconheço criança mais INTELIGENTE do que a linda Heleninha, prima única de João Vinicius. Coloco a palavra inteligente em caixa alta para destacar o sentido literal da palavra. Ela não é inteligente porque andou primeiro, ou engatinhou primeiro, ou falou mamãe, ou papai. Ela é assim definida porque, desde sempre, demonstrou uma capacidade incrível de perceber o mundo, de interagir com o outro e, sobretudo, de se comunicar.

Engraçado, não me lembro do tempo em que Helena, por exemplo, não falava. Com muitos poucos meses, ela já identificava o tio João pelo termo "óooooo", a mim como TiaAnha", e a todos os demais membros da família por nomes por ela particularmente escolhidos. Próximo a fazer dois anos, já foi capaz de escolher seu tema da festinha, e falava absolutamente tudo nessa mesma época. Frases inteiras, perfeitas, bem definidas, bem colocadas e bem explicadas.

Ao entrar na escolinha, já na primeira dancinha conseguiu seguir os passos da Tia, e simplesmente, arrasou, apresentando-se como se tivesse noção perfeita daquilo que se passava. Palco, espectadores ansiosos, e ela a dançarina linda de "sambalelê". Nossa, chorei horrores hehehehe.

Ao lado de amiguinhas, antigas ou novas, faz questão de dar-lhes as mãozinhas e chamar pra dançar, ou brincar. Embora tenha noção exata do que é dela, ela se sente feliz em estar com outras crianças, ensiná-las, e interagir com as mesmas. Vocês não imaginam como isso, hoje em dia, é difícil, onde o egocentrismo se inicia nos primeiros anos de vida. As crianças facilmente batem umas nas outras, empurram, ou fazem algum gesto grosseiro umas com as outras. Isso não existe com Helena.

Impossível não se encantar com sua beleza, com seu trato peculiar com as pessoas, principalmente com os priminhos "mais novos", no caso, Joãozinho. Logo após ele ter nascido, ela não hesitou em dar-lhe um lindo apelido, nunca antes utilizado por ninguém - "Vinicinhus". Como uma menininha de dois anos e alguns meses saberia fazer diminutivo? Incrível. Hoje, ela faz questão de me "ajudar" nos cuidados com o priminho, dizendo-me enfaticamente:

- "Tchia" Ana, não se preocupe, estou de olho em Joãozinho!

- "Tchia" Ana, se ele aperriar eu lhe chamo, pode deixar!


Como definir uma cena dessas?

Peço a Deus que Joãozinho siga seus passos. Não apenas para ser o mais inteligente do mundo, até porque essa nunca foi a pretensão da mamãe ou do papai de Helena. Nunca vi Edu ou Vivi forçando algum aprendizado. Ela aprende porque ela quer, porque ela anseia, porque ela É assim. Quero que ele siga seus passos também para continuar sendo uma criança pura, como ela é, incrivelmente amável, como ela é, e, sobretudo, incrivelmente FELIZ.

Te amo titia!!!!!

E para saber mais sobre essa fofura, acessem o site da mamãe babona dela. http://vivieduehelena.blogspot.com/. Tem um título nada sugestivo. "Daqui pra sempre" :D


A bombeirinha mais linda do mundo. Amo essa foto!

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Fazer amizades.

Essa foi, é, e será, sempre, uma constante preocupação minha. Não consigo
imaginar uma vida sem amigos. Acredito que a falta de parentes próximos me fizeram lançar todas as expectativas de criar laços fortes com outras diversas pessoas, a quem eu tenho o prazer de chamar de amigos.


Logo, eu não poderia pensar diferente em relação a Joãozinho. Sonho em vê-lo no meio de vários colegas, jogando bola, uns dez, exaustos sob um sol escaldante, desesperados de cansados após mais uma partida. Sonho em vê-lo no meio de uma turma da escola, conversando sobre os mais diversos assuntos, e marcando para irem ao cinema juntos, para ver o pré-lançamento da época, cujos ingressos foram disputados a tapas, e conseguidos aos aplausos. Sonho em vê-lo lá no nosso novo prédio, no meio da criançada, morrendo de rir com a queda de um, ou preocupado com a advertência ou o castigo que o outro levou.

Nossa, parece distante esse momento, já que meu lindo ainda não tem nem dois anos de vida, logo, ainda não acha lá muita graça nos amiguinhos. Os brinquedos deles ainda são mais interessantes, ou aquilo que eles estão fazendo, e não eles mesmos. Mas ontem, vi indícios de que Joãozinho já está tendo a consciência da amizade.

Recebemos uma visita de uma amiga, que tem uma linda filha, Lelê, “amiguinha” de Joãozinho, em consequência. Ao vê-la, ele demonstrou total felicidade, e não hesitou em pegar nas suas duas mãozinhas, e puxá-la, como quem diz: Vem brincar comigo! Várias foram as demonstrações de carinho entre os dois. Até dançar o “rebolation” juntos dançaram, praticamente se apresentando para Titias LaLau e Nat, Vovós Êta e Quel, “Ada” e a mamãe aqui, toda orgulhosa.

Como descrever momentos como esse?

Uma tarde de domingo, que parecia ser sem graça, principalmente pelo fato de o papai estar a quilômetros de distância, se tornar num momento ensolarado, irradiado de alegria?

Descrevo com uma pequena palavra, já citada. AMIZADE. A amizade faz isso. Nos deixa felizes, radiantes, nos faz perceber que o importante na vida é viver participando da felicidade dos outros. Não por obrigação ou por consideração. Mas por vontade, por desejo, por AMOR.

Protagonistas da história

Obrigada a todos aqueles que posso chamar de amigos. Não são poucos, graças a Deus!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Primeira grande viagem a "três" - Rio de Janeiro




        Nossa, faz tempo que não posto aqui... Mas esses últimos meses foram de uma correria ímpar, por outros motivos que também serão postados neste blog, mas agora não quero falar deles. Quero falar, sim, de um das mais belas experiências que vivemos nesse um ano e sete meses que temos a graça de ter ao nosso lado o mais lindo fruto do amor.
Feliz na chegada ao Rio de Janeiro
        Meio que de repente, resolvemos viajar, até para receber novos ares, repensar metas e objetivos, e, ainda, esquecer alguns problemas meio perturbadores, e que pareciam, até então, difíceis de solucionar.

         Resolvemos ir para o Rio de Janeiro, até porque temos alguns importantes amigos naquele Estado, então seria o momento de conhecer melhor um lugar lindo, fascinante, e, ainda, rever pessoas especiais. Tudo foi resolvido meio que de última hora, mas que essa viagem foi uma das coisas loucas mais acertadas que já decidimos, ah, isso foi.


      Pela primeira vez, passamos mais de cinco dias (oito ao todo) sendo, exclusivamente, PAIS de Joãozinho, sem nenhuma outra pessoa para dar um certo auxílio. Se ele acordasse, não teria quem ficasse "um pouquinho", para mais um cochilo. Se adoecesse, nós é que teríamos que resolver tudo sozinhos. Parece bobagem, alguns podem pensar "mas pai é pra isso mesmo", mas não é bem assim.


       Como somos acostumados a viver muito em família, esse afastamento temporário da mãozinha das vovós, do vovô, da babá, das titias, pode até parecer um pouco assustador. Será que o cansaço vai complicar a viagem? Será que vamos nos arrepender?


     Ahhhh, quanta besteira. A delícia de mostrar um mundo novo a uma criança cheia de curiosidade, de vida, ultrapassa qualquer cansaço, qualquer noite mal dormida, qualquer dificuldade.


      Viajamos tranquilamente, e olhe que fomos no "bacurau" hehehhe (o vôo saiu de Recife às três da manhã). Joãozinho dormiu grande parte da viagem, chegou tranquilo, adorou o hotel, e ficou observando tudo, sempre, como quem diz: Quem sou? Onde estou?

Praia do Arpoador
Reação ao ver papai do céu.
      
      Todos os passeios foram maravilhosos, e os olhinhos dele saltavam a cada novidade. Quando viu o Cristo Redentor, não teve dúvida. Juntou as mãozinhas e imediatamente e falou "papai", com uma expressão de clara surpresa, inenarrável. Fez questão de "rezar" na Capela e deu xau a papai do céu, como quem dá a um velho conhecido.
Fifa Fan Fest - Brasil e Holanda
Ele se viu no telão e apontou :D

     O encontro com a tia Ghy e da priminha do Rio, Rafaela, também foi espetacular. Fomos na casa delas e ele se comportou como se as conhecesse a muito tempo, como se fossem velhos amigos. Tia Babi também se encantou com seus sorrisos, e Joãozinho fez questão de tirar todos os sapinhos de pelúcia que estavam na cama do lugar. Tia Dani também, uma gracinha, se encantou pelo gordinho, e grudou nele até não poder mais.

      Nossa, que delícia. Jardim Botânico, peça de teatro estreada por Luana Piovani (que quando o viu, disse: que cílios lindos!), Maracanã, praia, shoppings, Pão de Açúcar, todos os passeios foram aproveitados como se fossem os últimos de toda a viagem.
Vista do Hotel

Tirando casquinha da gatinha
Ficará pra sempre!
   

    Joãozinho aprendeu em oito dias de viagem coisas que o fizeram retornar outra criança. Uma criança mais comunicativa, mais certa do que gosta, e capaz de expressar exatamente aquilo que quer. Aprendeu a cumprimentar as pessoas, a experimentar novas comidas, a dizer que era hora de comer, a contar até 10 (de olho nos números do elevador do Hotel), a respeitar alguns pedidos da mamãe, ou seja, teve um belo salto de desenvolvimento, e o melhor, sem nada forçado, apenas "vivendo".

Criando laços de amizades

     Eu e João nos sentimos ainda mais "pais", absolutamene capazes de lidar, apenas nós dois, com situações inesperadas, como uma crise de tosse, ou uma noite mal dormida. Revezamos, conversamos, brincamos, vimos que, com amor, tudo fica fácil.

       Amigos, amigas, seguidores, leitores... Não tenham medo de enfrentar novas experiências com seus pequenos. Apesar de ser tudo tão novo, tanto para ele, como para nós, pais de primeira viagem, só é possível saber exatamente até onde podemos curtir os momentos se tivermos a coragem de enfrentá-los.

        O estímulo que damos aos nossos filhos é o móvel do desenvolvimento deles, do interesse deles pelo novo, pelo desafio, pelo mundo! Apresentem o MUNDO a seus filhos. Mostrem a eles uma pequena formiga, ou o grande astro Sol. Sintam prazer em mostrar o quão bonito é o mar, ou o quão interessante é a chuva, ensine-os a sonhar! E, o que é melhor, SONHEM COM ELES! 

                                            
 
                         Como é bom viver assim!

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Claro que beleza não é fundamental, mas...

Tá, se tem uma coisa que eu jamais pensei, é que teria um filho muito bonito. Desculpe-me se vc que está lendo, por acaso, não acha Joãozinho bonito. Mas recebo tantos, mas tantos, mas tantos elogios da sua fofura, fotogenia, e simpatia, que acabei acreditando que eu tenho, sim, um filho lindo.

Claro que isso não é, nem de longe, o que mais importa, mas que é gostoso ver que seu filho é um fofíssimo, que só com sua presença, encanta a todos, ah, isso é sim! Nossa, por onde nós passamos, vem sempre um "que fofo, que gordo gostoso, que sorriso contagiante, que simpatia, que cor de cabelo linda".... E a mamãe se enchendo de orgulho, toda prosa. O papai também acha o máximo, principalmente quando dizem que Joãozinho está a cara dele!

O melhor de tudo isso é que, aliado à beleza, está a saúde perfeita, o jeito meigo e carinhoso ímpar, que faz nossos dias valerem a pena, cada minuto, cada segundo. Embora o cansaço bata às vezes, chegando até a um desânimo em ter que brincar mais um pouco com o gordinho, depois de um dia de trabalho por exemplo, tudo é superado quando a gente houve um "mamãe", um "papai", "a lua", "a bola", "titia", e outras várias palavrinhas que ele já consegue expressar, com a certeza do que significam. É incrível. É a maior prova de amor que alguém pode receber.

Ah! Mas voltando à beleza, gostaria de informar a todos que me convenci tanto de que ele é realmente lindo que o coloquei no casting de uma agência de modelos. A mesma na qual ele fez seu primeiro desfile, com apenas 09 meses, conforme está registrado na fotinho aí. Mamãe é doida mesmo, papai também, a família toda também e por aí vai!!!

O site onde está a fotinho dele é é  http://www.tcfashion.com.br/index.php?pg=6&cat=bebe&letra=j

Lindo, né? Ai ai :)

sexta-feira, 26 de março de 2010

Socialização: Excelente!!!

Hahaha, hoje tive uma felicidade, acredito que bem próxima da que se tem, quando um filho passa por média no final do ano. Bem, pelo menos eu sinto que seja parecido! E, claro, precisava compartilhar com meus amigos!
As escolas, em sua maioria, adotam uma "agenda" como um meio de papais, mamães e escola interagirem com mais facilidade. Ali fica detalhado o dia a dia do aluno, se comeu direitinho, quais atividades participou, se aconteceu algum contratempo, como evacuações fora do normal, febre, ou até mesmo briguinhas entre os coleguinhas. Tá tudo bem explicadinho lá, é só abrir a agenda, ler, e ter uma noção do que o filhote fez naquele dia.
Pois bem. Além dos detalhes a que me referi, tem também uma avaliação diária sobre a socialização dele. Até ontem, sempre vinha marcado com um X a opção "boa", que fica entre "regular" e "excelente". Ótimo, isso quer dizer que meu bebê é um BOM aluno, pelo menos no conceito da professora, que, diga-se de passagem, é apaixonada por ele (claro).
Mas hoje, quando fui ler a agenda, percebi que o X não estava no "boa"... Pensei logo, sem olhar tudo, 'eita! será que ele se desentendeu com algum coleguinha?'.

Que nada!!! A socialização, na verdade, estava com X no "EXCELENTE".

O que será que isso quer dizer?

Provavelmente, meu bebê está cada vez mais aceitando o dia a dia da escolinha, participando, interagindo, possivelmente até sorrindo mais, brincando... Nossa, como isso é bom! É um sentimento de dever cumrprido a cada dia, de metas alcançadas, de tudo de bom que se possa sentir.
Pode ser que ele receba um "regular" um dia. Mas esse "EXCELENTE", eu jamais vou esquecer  ...

quinta-feira, 25 de março de 2010

Experiências: Ir à Escola com 1 ano e um mês de idade.


Se existe uma experiência maravilhosa e terrível ao mesmo tempo, esta é a escolha e a ida do seu bebê à escola. Primeiro, visitas e mais visitas aos mais diversos estabelecimentos educacionais, com as mais variadas propostas. Verdade, alguns sem proposta nenhuma. Outros com tanta proposta que vc se sente colocando seu filho para fazer vestibular com um ano de idade. Mas tudo bem, depois de muito procurar, achamos a "Geração do Futuro", nome bastante sugestivo, para quem estava prestes a deixar a coisa mais linda da sua vida nas mãos de pessoas, a princípio, no mínimo, estranhas. Joãozinho nunca foi a criança mais "dada" do mundo. Ir para estranhos sempre foi um problema, na certa. Simpatissíssimo ele sempre foi, desde que não ousassem retirá-lo do braço da mamãe.
João comprou o material, levou, e dia 01.02, lá estava eu, sozinha, pq o papai estava em SP (pra variar isso acontece em momentos críticos) levando a minha coisa mais preciosa para a escola. O primeiro dia foi legal, passei o dia inteiro lá e como tudo era novidade, foi maravilhoso! Dá pra ver pela carinha dele né? Mas no segundo....
Eu tinha que ir deixando ele ficar com as tias. Mas ele sequer andava! Todos da sala andavam. Ele era muito frágil! Sentado, no meio de crianças que ao meu ver eram infinitamente mais velhas que ele (2 ou 3 meses) ele estava sofrendo, se sentindo rejeitado... Quando eu ousava sair da sala, ele olhava ao redor, fazia um lindo bico como que pedindo socorro, ajuda, algo do tipo. Insuportável para mim. A idéia de que o estaria abandonando não saia da minha cabeça. E esse conceito de "abandono" nunca foi bem resolvido em mim, como muitos sabem. Nossa. Depois dos meus seios rachados na amamentação, e de uma leve, mas presente, DPP, essa, com certeza, foi a pior sensação a maternidade. Mas nesse momento, a sensação não era em relação a mim. Não era eu que estava com dor, ou esgotada. Era em relação ao meu bebê. O meu bebê lindo, sendo colocado no mundo tão cedo, será que aquilo era certo, meu Deus?
Resultado: A partir do quarto dia, não fui mais. Papai chegou e assumiu a adaptação. Melhor frase: O que os olhos não vêem o coração não sente. Não que eu quisesse me eximir de culpa. Mas era LÓGICO que tudo aquilo era natural, que ia passar, e que estar numa escola, e sobretudo, poder coloca-lo em uma, com todo conforto, era uma conquista e uma decisão mais que acertada. Mas como uma MÃE iria entender isso? Vendo seu bebê, simplesmente, chorar, e dizer "mamã"?
Ah, se eu pudesse voltar atrás, não sofreria tanto. Até porque posso atestar que ele hoje é outra criança. Teve um salto de desenvolvimento impressionante. Andou logo logo, o que estava tardando a acontecer, já se comunica facilmente, sabe todas as partes do seu corpo (até então só tinhamos conseguido que ele decorasse a pitoca hehehehe), reconhece números e letras (para eles todos são 1 e A), entre outras conquistas.
Pois bem. mamães, não sigam meu exemplo. Tudo que eu escrevi é tipo "o que não se deve fazer ao tentar adaptar seu filho à escola". :)

quarta-feira, 24 de março de 2010

Bem, mas antes, quem sou eu?


Sou João Vinicius. Para os íntimos, Joãozinho. Podem me chamar também de Gordinho, Cotoquinho, Gordo, não me importo. Nasci com o propósito de nunca me preocupar com conceitos, de ser quem eu sou sempre, assim como meu pai. Mamãe já é mais preocupada com essas coisas, mas eu pretendo não ser. Nasci pequeno, tão pequeno que não parecia ter vindo de dois fofões feito mamãe e papai. Fui crescendo aos pouquinhos, num foi tão rápido assim que fiquei essa gostosura de hoje não sabe? Mas fiquei né? Quem duvida? :D Aos poucos, minha mamãe vai postar novas e antigas descobertas, à medida que ela for lembrando de tudo o que já aconteceu na minha longa caminhada de 1 ano e 3 meses, completados hoje!

Mas sabe qual a maior de todas? Mamãe saber, e sentir, que eu sou uma criança feliz. Que transparece alegria e contentamento em tudo que faz, em tudo que vive, em tudo que sonha. Algo mais importa?

Hoje, passei a gostar da minha babá do Colégio.

Hoje, pela primeira vez, Joãozinho saiu dos braços da mamãe, direto para o colinho da babá Neide, da escolinha. Fiquei muito emocionada sabe? Alguns diriam que eu deveria chorar, achando que ele não me ama tanto quanto antes, mas eu vejo de outra forma. Vejo que meu filho está se posicionando no mundo, estabelecendo novos laços, e, sobretudo CONFIANDO em outras pessoas. Isso é incrível! É desenvolvimento puro! :D
A partir de agora, farei questão de compartilhar com todos os meus amigos as descobertas do meu bebezão lindo. Pretendo que seja uma experiência legal, como também um ponto de apoio para novas mamães. Vamos lá?