segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Fazer amizades.

Essa foi, é, e será, sempre, uma constante preocupação minha. Não consigo
imaginar uma vida sem amigos. Acredito que a falta de parentes próximos me fizeram lançar todas as expectativas de criar laços fortes com outras diversas pessoas, a quem eu tenho o prazer de chamar de amigos.


Logo, eu não poderia pensar diferente em relação a Joãozinho. Sonho em vê-lo no meio de vários colegas, jogando bola, uns dez, exaustos sob um sol escaldante, desesperados de cansados após mais uma partida. Sonho em vê-lo no meio de uma turma da escola, conversando sobre os mais diversos assuntos, e marcando para irem ao cinema juntos, para ver o pré-lançamento da época, cujos ingressos foram disputados a tapas, e conseguidos aos aplausos. Sonho em vê-lo lá no nosso novo prédio, no meio da criançada, morrendo de rir com a queda de um, ou preocupado com a advertência ou o castigo que o outro levou.

Nossa, parece distante esse momento, já que meu lindo ainda não tem nem dois anos de vida, logo, ainda não acha lá muita graça nos amiguinhos. Os brinquedos deles ainda são mais interessantes, ou aquilo que eles estão fazendo, e não eles mesmos. Mas ontem, vi indícios de que Joãozinho já está tendo a consciência da amizade.

Recebemos uma visita de uma amiga, que tem uma linda filha, Lelê, “amiguinha” de Joãozinho, em consequência. Ao vê-la, ele demonstrou total felicidade, e não hesitou em pegar nas suas duas mãozinhas, e puxá-la, como quem diz: Vem brincar comigo! Várias foram as demonstrações de carinho entre os dois. Até dançar o “rebolation” juntos dançaram, praticamente se apresentando para Titias LaLau e Nat, Vovós Êta e Quel, “Ada” e a mamãe aqui, toda orgulhosa.

Como descrever momentos como esse?

Uma tarde de domingo, que parecia ser sem graça, principalmente pelo fato de o papai estar a quilômetros de distância, se tornar num momento ensolarado, irradiado de alegria?

Descrevo com uma pequena palavra, já citada. AMIZADE. A amizade faz isso. Nos deixa felizes, radiantes, nos faz perceber que o importante na vida é viver participando da felicidade dos outros. Não por obrigação ou por consideração. Mas por vontade, por desejo, por AMOR.

Protagonistas da história

Obrigada a todos aqueles que posso chamar de amigos. Não são poucos, graças a Deus!

3 comentários:

Viviane Rolemberg disse...

Joãozinho já tá fazendo escola com esse jeito fofo de ser. Mas também, com os pais que têm, tão sem amigos, né? Não tinha mesmo a quem puxar. :)

laraabreu disse...

O Cotoquinho, com seu jeito lindo de ser, já tem laços eternos de amizades...e a de Titia Lalau começou desde a barriga da mãmãe dele! Te amo, viu? Muitooo!

Re disse...

Amigaaa que lindooo!


A amizade transforma as coisas mais simples em total felicidade!


Obrigada por vc fazer parte da minha vida !